%PDF-1.3 3 0 obj <> endobj 4 0 obj <> stream xuX+F%Q"=lg6LMGMwĿBr>#> f\rʫꦤCPdW^Us&{4ˣt*/G$ʦ8qg"f|!KFRJOwTHOkY}o E6gXMʾ2Vi%S~I_<Y=[.y ,Z&BBR]EEh̦{48h</tbllnZV,4Ur0N rDY5hrX-e2w߿ y6*mMqkYUV}ݸ< ]$$;IJt}-G.—Uj:%U(t)dVZZ.jZ(IX^H"px-h7҈4k, Wu@I+A7DՈJ!uFU™fU[g8t vz5ؚ7V!Z sмh PnEO^:8ž#9ʍlT27,4'*o/:4lJ;Vy/$X~U+!Z igj `8 iy2Gs`+*jHv\7.&Ѕ;O;8;ȅ6J?\_u\lXBB|8T66<[EpdVOƾG{$~Ҫr7>F 7{荽/ߌ#h=;VF̎KfY]I IDLi<pFqR}s˾աCmsNg2w=8AGvڎcCU4|ft́V';ɟsrkOޯ*^MUNb0g\ aa5ݷr- D=9?gNQ⫽$*@os7y/@bx JPT6>q,noa-نE=c /蛅$Z>^0"k%ejE7ydC"\aVa2} U=D\~>в;taͯ1# BhB#PQۢ);i%Z%XkByY9>I~`яiGư rߟB h[峓ȾcZ'Etlԡ=cdKwFyD`u9 >OvU- endstream endobj 5 0 obj <>>><>>>] /Contents 6 0 R>> endobj 6 0 obj <> stream xVnF+.4Hk̇HJ vwM#rLJr!)vQ7iYܡ$Smt#39wzyQBgOi'?GSz~[/1@":葬U)K"UEʲ[+RT3UPi(7ˏTJ\ON|$;0r2xZfMm2pwA$lsjU XgARSLbI:0fB]f ,sۯ纐}d("!g XM̵DR|1 XRz2T.ZSS4"^K8Nj=onM\] ʗe=H"%[V*wPLgZw۬>0~FyO-3u{ď];'MRn]5X{\ػ1 x nhL%nJJ[vº3;CG9g`]ĩ4mʌ؁;.݆BdiKOu*-'bҾ&iSm5NmSӭ0x)fR;#1PÖm`)` @iv^fƂR ]r;e0b8Luynvt=?OU8gfVxT#h آai؝̶GL"UZ̘X^bP,&IrsU{bb鍀1>S9KcN=("v\ TCA(o*mJW~ƠU%1Ju3뜲y{TֹP38WeZQMv/Tq-IWv%]бF;UH/ʇ4`]t Y1 n.sh'4ed7%7x-Y_֦\ \rAXJ[@a+P9z(w TA4>O<%@T Mc'\8wXA'G=5?Ul#կ~p2("ݳ3!YU31+ڋpD+ɟ7yww!Qv :!JQFO 5{wxDm{qgl[$^,f2ϕ]7EY}{߿O:o䏇&`Bl7x8>9vdv-n@x 3p$yEzI z!{|܀ud{M|F]cm3hEw"Dcwa"vM>iެPhH~$fewÏ1u['o;Cx[!}nq><ݐ_4UΟ>43TDǠ~7 zz֨vR,6&şz^q ]1^?׏) G]?Ǧ#^ u~7P-~T2wWDW{ endstream endobj 1 0 obj <> endobj 7 0 obj <> stream x]Rn0>L%DI8~%E*rﻻvҪHXgvVk?/Ῑ`][x5 3\zP}POjJݍ^x6/f|4}z}@,ۖ-˺Eu^,< Z_K IQYdCK_%q8>!J"V!2&bGģ%r"HD\}2EL1nhje"a*H:d9c[X1~"3gÑ;O> endobj 9 0 obj <> endobj 10 0 obj <> endobj 2 0 obj << /ProcSet [/PDF /Text /ImageB /ImageC /ImageI] /Font << /F1 8 0 R /F2 9 0 R /F3 10 0 R >> /XObject << >> >> endobj 11 0 obj << /Producer (FPDF 1.81) /CreationDate (D:20200525013947) >> endobj 12 0 obj << /Type /Catalog /Pages 1 0 R >> endobj xref 0 13 0000000000 65535 f 0000004647 00000 n 0000005527 00000 n 0000000009 00000 n 0000000087 00000 n 0000002609 00000 n 0000003107 00000 n 0000004740 00000 n 0000005174 00000 n 0000005287 00000 n 0000005405 00000 n 0000005652 00000 n 0000005729 00000 n trailer << /Size 13 /Root 12 0 R /Info 11 0 R >> startxref 5779 %%EOF Construção industrializada de concreto agiliza obras em rodovias | Mecânica de Comunicação Estratégica
Construção industrializada de concreto agiliza obras em rodovias

PRESS RELEASE

CONSTRUçãO INDUSTRIALIZADA DE CONCRETO AGILIZA OBRAS EM RODOVIAS

O Brasil tem uma permanente necessidade de ampliar e manter em bom estado de conservação sua malha rodoviária. E o país, ao longo das últimas décadas, tem investido considerável soma de recursos nessa área. Segundo a Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias (ABCR), desde 1995, as concessionárias destinaram cerca de R$ 97 bilhões para obras e serviços de melhoria da malha viária nacional.

Nesse sentido, vem ganhando espaço sistemas construtivos industrializados que possibilitam a execução de obras  de maneira mais eficiente, com menos custo e concluídas em menor espaço de tempo com qualidade. Uma dessas soluções é o pré-fabricado de concreto, que vem se consolidando como a principal alternativa para a construção em viadutos, passarelas, pontes, praças e cabines de pedágios, barreiras de proteção,  muros de contensões,  galerias  e demais obras de arte de estradas e rodovias de todo o Brasil. Isso porque com esse sistema, é possível realizar duplicações sem interferência nas faixas existentes, respeitando o meio ambiente, além de proporcionar facilidade para a manutenção dessas construções.

De acordo com Íria Doniak, presidente executiva da Abcic (Associação Brasileira da Construção Industrializada de Concreto), o uso de pré-fabricado de concreto nesse tipo de aplicação tem se consolidado e ampliado, principalmente, pelo crescente uso e disseminação de soluções técnicas e inovações tecnológicas no segmento, como nas áreas de protensão, dos concretos de alto desempenho, dentre outros avanços. “Colabora também, uma maior disponibilidade de equipamentos de transporte e de içamento com elevada capacidade de carga”.

No estado de São Paulo, por exemplo, recentemente seis praças de pedágio das rodovias SP 255, SP 249 e SP 318 receberam estruturas pré-moldadas de concreto, entre pilares, com duto central para escoamento das águas pluviais, vigas, telhas, cabines dupla e simples e submarinos. O sistema construtivo também atendeu a construção de dezoito obras de artes especiais, (cinco pontes, seis viadutos, cinco passagens inferiores e dois muros de contensão) no prolongamento da Rodovia Carvalho Pinto (SP-070) até o município de Taubaté, no interior de São Paulo. Elementos estruturais pré-moldados de concreto  também foram usados  em dezoito  obras de artes especiais (pontes, viadutos de  passagens superiores e inferiores, galerias), nas implantações de vias marginais e alargamentos das expressas no trecho urbano da Rodovia Dom Pedro (SP-065), entre Km 131 e Km 145 e no prolongamento do Rodoanel (SP-083)  em Campinas/SP, entregues ao tráfego em dezembro do ano passado.  Entre as vantagens e resultados obtidos com o uso do pré-fabricado nas rodovias SP-070,  SP-065 e SP-083 estão a redução de até 30% nos prazos contratuais,  diminuição de 60% no efetivo de mão de obra direta e indireta alocado aos canteiros de obras, menor interferência com transito, maior segurança para trabalhadores e usuários das rodovias, com melhor    qualidade e  menor custo.

A industrialização em concreto também vem sendo adotada para grandes complexos portuários, como foi o caso da construção de uma ponte ferroviária, uma ponte rodoviária e dois viadutos no Complexo Viário de Itaguaí (RJ). Esse projeto envolveu a fabricação de superestruturas, como por exemplo, as vigas do viaduto composto (pera), que foram concebidas inicialmente para ter quase 70t. Devido ao grande peso, para viabilizar a execução em pré-fabricado, houve a necessidade de realizar três vigas em uma: duas vigas com apoio (cabeça) e uma apenas com o corpo.

Na região Nordeste, um exemplo de aplicação de pré-fabricado foi a construção de duas unidades em passarelas que integram o VLT de Fortaleza-CE. A obra exigiu o desenvolvimento de fôrmas especiais para permitir dimensões esbeltas e mais leves, de maneira a atender as restrições de transporte e montagem no local.

Já na região Sul, a construção de um viaduto sobre a BR-277 na frente de uma unidade da Cooperativa Agroindustrial Agrária, próxima do município paranaense de Guarapuava, exigiu o uso de concreto com fck de 50 MPa na produção de peças, além do uso de concreto  auto-adensável com rígido controle de qualidade e protensão  controlada.

Sobre a Abcic

A Abcic – Associação Brasileira da Construção Industrializada de Concreto foi fundada em 2001, com o objetivo de difundir e qualificar os pré-moldados de concreto destinados às estruturas, fachadas e fundações. Com mais de 100 associados, promove ações e iniciativas inéditas para desenvolvimento do setor, como por exemplo, o Selo de Excelência ABCIC, programa que atesta a conformidade aos padrões de tecnologia, qualidade, segurança, meio ambiente e desempenho das empresas do setor de pré-fabricados, o Prêmio Obra do Ano em Pré-Fabricado, que prestigia empresas e profissionais do setor, e o Anuário ABCIC, que traz informações mercadológicas, técnicas e políticas da industrialização na construção. Possui uma integração com prestigiadas entidades nacionais e internacionais, como é o caso da fib – Fédération Internationale du Béton, além de realizar cursos de capacitação profissional e de participar de importantes eventos no Brasil e no exterior. Site oficial: http://www.abcic.org.br/

 

Imagens relacionadas

Projetos em rodovias de SP com estruturas pré-fabricadas de concreto obtiveram redução de até 30% nos prazos contratuais
Crédito foto: Divulgação Abcic
baixar em alta resolução

###

Para mais informações sobre este release, por favor ligue para Mecânica De Comunicação Estratégica no telefone (11) 3259-6688/1719 ou pelo e-mail meccanica@meccanica.com.br

SãO PAULO -

Contato de Imprensa

  • Mecânica de Comunicação Estratégica
  • (11) 3259-6688/1719
###

Para mais informações sobre este release, por favor ligue para Mecânica De Comunicação Estratégica no telefone (11) 3259-6688/1719 ou pelo e-mail meccanica@meccanica.com.br

Onde Estamos

  • Buenos Aires (Argentina)
  • Santiago (Chile)
  • México (México)
  • Lima (Peru)
  • Londres (Inglaterra)

Contate-nos

Newsletter
Faça como centenas de pessoas inteligentes, assine nosso boletim e mantenha-se atualizado.
© 2018 Mecânica de Comunicação Estratégica - Todos os Direitos Reservados
By WebProfit
###

Para mais informações sobre este release, por favor ligue para Mecânica De Comunicação Estratégica no telefone (11) 3259-6688/1719 ou pelo e-mail meccanica@meccanica.com.br